Entrevista: Edna Guedes

Boa noite pessoal! Trago uma entrevista com Edna Guedes, autora do livro Acontece que eu te amo. Vale destacar que a Edna é uma fofa e adorei entrevistá-la.

Quem é Edna Guedes?
Eu.(risos). É muito difícil dizer quem sou. Prefiro que as pessoas digam quem sou. Mas aí o que acontece? Elas não sabem quem eu sou e me conceituam, estereotipam de acordo com suas visões deturpadas. Algumas até acertam alguma coisinha aqui, outra ali. Enfim, vou dizer só as coisas boas, que não sou boba nem nada. Dizem que sou maluca, no bom sentido. Alegre, brincalhona (isso sou mesmo), gosto de sorrir, de zoar, choro muito, sou muito sentimental. Eu sou um pouco das loucuras que compartilho no face. Alguns dizem que sou melindrosa. Mas não é isso. Tenho sentimentos e às vezes, as pessoas são cruéis e eu não reajo. Estou aprendendo a me impor mais, a não permitir que me violentem tanto. Ah, sou teimosa. Isso sou mesmo. Não gosto de injustiças. Sou extremamente romântica, e muitas vezes isso não é bom. Ainda acredito em príncipes encantados. Mesmo que seja aquele sapinho sem graça, que vez ou outra coacha perto de você, mas a gente dá uma chance e ele vira príncipe sempre, é só ter paciência. Eu sou muito antagônica, a verdade é essa. Porém, não sou bipolar. Sou como todo mundo, um dia feliz, outro triste, com preocupações reais, de casa para arrumar, contas a pagar, trânsito, essas coisas. Mas sempre agradecendo a Deus por mais um dia de vida, pois sou sortuda e feliz com o que tenho.

Quando decidiu que queria ser escritora?
Pois é. Eu costumo dizer que não sou escritora. Parece confuso, mas não é. É que eu não me sinto escritora. Sinto-me mais uma fabricante de sonhos. Adoro escrever histórias onde tudo é possível, onde vivemos em paz, nada é impossível, e que o mal por si só, se destrói. É isso, sinto-me dona de uma fábrica de sonhos. Eu não decidi ainda. Vou escrevendo enquanto houver quem goste do que eu escrevo e queira ler. No dia em que ninguém mais se interessar por meus sonhos, aí sim, decido parar e olhar para trás para ver se fui uma escritora. Coisa de maluca, né? (risos)

E a sua família te apoiou nessa escolha?
Meninas, tenho segredos inconfessáveis. Porém, eu precisava trabalhar, né? Não dava para viver como escritora. Até porque, eu só voltei a escrever e permitir que lessem meus escritos, de uns poucos anos para cá. Na verdade, ainda não dá para viver de livros, a não ser que eu seja dona de livraria, ou de sebo. Enfim, minha família hoje, me apoia. Conto sim, com o apoio de minha mãe, que à época fazia umas coisinhas esquisitas com meus textos, com meu marido, que foi quem financiou minha ida à Bienal do Rio, e com minha filha, que mesmo sendo extremamente tímida, aceitou ser minha Laura, personagem de meu próximo romance, no BT que fiz do livro. É, a coisa está melhorando.

 De onde surgiu a ideia para escrever Acontece que eu te amo?
Sempre me dizem que sou maluca, pois é. Acredito piamente nisso! (risos). Assim, eu estudava na universidade ainda, quando convidei uma amiga para passar o fim de semana em minha casa. Ela aceitou e foi. A diaba passou o fim de semana lendo as revistas Júlia, Sabrina, Bianca, e sequer me deu atenção. A gente nem saiu na rua para paquerar os "boyzinhos". Eu nunca havia lido um romance daqueles. Então ela me mostrou uma parte onde o casal estava lá no bem bom e me despertou a curiosidade. Imagina! Virgem ainda! Então eu disse a ela, que iria escrever um romance, e ela iria dizer se gostou, ou não. Peguei meu próprio caderno da universidade e comecei a escrever. Quanto mais eu escrevia, mais gostava, mais ia fantasiando situações. Lógico que não ficou tão bom assim, mas daí, a amiga leu e não é que gostou? Ela me pediu para escrever mais e mais e eu respondi: "Tô" fora! Chega de tantas redações! É que tínhamos um professor de português, que a cada aula ele dava 25, 30 temas para escolhermos 3 e fazermos redações. E numa dessas vezes, ainda lembro um dos temas, que não era tema, era uma parte de um verso, "tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo". Escolhi esse, fiz a redação, datilografei (ixe que coisa véia!) e ele me chamou na frente da sala e teceu um monte de elogios para minha redação, Depois me chamou num canto e me perguntou por que eu não escrevia mais, e por que estava no curso errado. Enfim, eu segui minha vida, sem escrever, mas nunca parei de pensar em Nestor. E então, há uns poucos anos, resolvi voltar a escrever. Tentei lembrar o máximo do enredo de como eu comecei a escrever a história de Luiza. Lógico que não saiu igual, mas muito do que eu escrevi à época, está sim na versão atual. Lembrar tudo não dá, né? Sem condições, já estou velhinha para isso. (risos).

O livro está fazendo muito sucesso na Amazon. Qual é a sensação de ter seu trabalho reconhecido pelos leitores?
Pois é, eu nem acredito ainda. Vocês estão mesmo gostando de minha fábrica de sonhos? (risos).

Sobre a protagonista, Luíza, você se inspirou em alguém para criá-la? Em alguma personagem de um filme, de um livro ou na vida real?
Não uma pessoa em especial. Eu acho que no fundo, no fundo, a gente sempre cria nossos personagens baseados em nós mesmas. Talvez eu quisesse ser a Luíza, que é forte, sabe o que quer. Mas o que temos em comum é sermos leoas. Não posso explicar porque vou deixar spoiler. Só quem ler a história saberá o porquê. Mas tem uma pessoa que me inspiro sim, quanto às características físicas.

Você tem algum novo projeto que possa nos contar?
Tenho sim. Na verdade, já tenho quatro romances prontos. O segundo, estamos terminando os detalhes, eu e a Editora Modo, para lançá-lo em breve, no Amazon. É Entre dois Amores. A história é de uma garota que tem um amigo de infância e eles crescem, tornam-se independentes e um dia, ele, Miguel, resolve que já passou da hora de se declarar para Laura. Justamente no dia em que ele decide fazer isso, Laura conhece Eduardo e se apaixona por ele. Só que Miguel não vai ficar parado e irá fazer de tudo para conquistar o amor dessa garota que quando fica sabendo que ele sempre a amou, percebe que o que ela sentia por ele, não era um amor tão fraternal afinal de contas. O que lhe resta então, é decidir entre os dois. Eduardo ou Miguel. Acho que vocês irão gostar de mais esse artigo de minha fábrica de sonhos.

Você gosta de ler que tipos de livros? Cite alguns de seus autores favoritos.
Menina, eu sou completamente apaixonada por romances. Adoro tudo quanto é história de amor. Costumo dizer que, quanto mais "diabético" for o romance, mais eu gosto dele. Ah, mas tem que ter uma pegada de sexo também. Confesso que não tenho autores favoritos, eu gosto das histórias. É igual a música. Eu gosto de músicas, não de apenas cantores. Quando encontro uma história que gosto, procuro ver se o autor tem mais deles. Mas eu gostei de 50 Tons de Cinza, A trilogia (de quatro(?) livros) da Sílvia Day, e romances de banca também, por que não? Não gosto muito de história de Vampiros, mas mesmo assim li Stephenie Meyer, e os que chamo de Livros dos Amantes, de J.R. Ward. Li Brida e 11 minutos, de Paulo Coelho. Os autores que eu mais lia na adolescência eram Machado de Assis, Aluizio Azevedo, José de Alencar, Adelaide Carraro. Quem nunca leu Dom Casmurro? Pois é. Helena, Senhora, Lucíola, eram os romances que eu lia e aprendi a gostar. Ah, eu li Eu, Cristiane F., 13 anos, drogada e prostituída. Muito bom! Não é nenhuma história de amor, mas é um livro que acho que toda jovem deve ler. Vi há dois dias, que será lançado um segundo, contando como Cristiane está hoje, aos 52 anos, e como foi sua vida durante o tempo em que usou drogas, dos eternos vai e vem desse inferno em que ela vivia. Ah, li também da Adelaide Carraro, O Estudante. Gente, esses livros são bons demais. Um aprendizado.

O que é ser escritora pra você? E qual a parte mais difícil dessa profissão?
É um sonho. Gostaria de poder viver de escrever. Adoro escrever. Sei que tenho muito a aprender ainda, pois estou me dedicando agora, mas nunca é tarde para realizarmos nossos sonhos. A parte mais difícil é ser lida. Infelizmente, ainda tem muita gente no Brasil que não gosta de ler, e muitos dos que leem, não valorizam os autores nacionais. Um ou outro que lê e gosta.

O que você diria para aqueles que querem ser escritores no futuro? E como lidar com esse sonho?
Pode parecer cafona, piegas, mas a única coisa que posso dizer é: Não desista nunca! Sei que não é fácil. Um dia ou outro você sentirá vontade de desistir, mas não desista. Reze pedindo forças a Deus. Amanhã será outro dia e é só recomeçar.

Obrigada pela entrevista Edna e desejo muito sucesso para você. E, se não for incomodo, deixe uma mensagem para os leitores do blog.
Gente, adorei a entrevista!! Adoro quando posso escrever para expressar o que sinto. Ah, continuem lendo. Leiam de tudo, até bula de remédio, se precisar. Tá, eu não leio, pois as letras são miúdas demais, mas .... risos. Valorizem os autores nacionais, temos vários muito bons. Continuem seguindo o blog da Jéssica. E aguardem o próximo romance. Vocês irão amar Miguel e Eduardo. Eu mesma quero os dois. Desculpem-me por meu jeito maluco de ser, mas eu sou assim, né? Não tenho mais conserto! (risos)

19 comentários:

  1. Fofinha!!! Obrigada pela oportunidade, Jessica. Beijosssssss e Sucesso em seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal a entrevista a autora parecer ser uma fofa, muito bacana mesmo!

    Estandy Books - A Estante Da Andy

    ResponderExcluir
  3. Aii que show a entrevista. Não conhecia a autora, mas gostei muito das respostas dela. Escritores são mesmo uma espécie de fabricadores de sonhos. Muitoo bom o bate-papo. Parabéns para as duas.
    Se puder dá uma passadinha lá no blog.
    Beijos!
    Paloma Viricio-Jornalismo na Alma.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela entrevista! Adorei conhecer a autora

    bjo

    pah

    Lendo e Escrevendo

    ResponderExcluir
  5. gostei muito beijos
    livro-azul.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Adorei a entrevista. A escritora é muito simpática, adorei saber que ela se sente uma construtora de sonhos!

    Bjs, Isabela.
    www.universodosleitores.com

    ResponderExcluir
  7. Hey
    Adorei a entrevista, bem simpática a autora.
    Sempre gosto de ler, e olhar as dicas e como surgem as histórias.

    Sucesso pra ela, vou dar uma olhada na Amazon

    bjs e parabéns pela entrevista
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  8. |õ|
    gostei de conhecer sobre a Edna, desejo sucesso para ela e que venha logo o livro físico junto com a editora Modo ^^
    Beliscões carinhosos da Máh-
    Cantinho da Máh
    @Maaria_Silvana

    ResponderExcluir
  9. Gente eu nunca tinha ouvido falar da autora (como assim?)
    Mas simplesmente adorei a entrevista, ela é muito simpática *-*
    Com certeza vou correr atrás do livro dela

    Beijo
    http://heysisteraj.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia a autora nem seu livro,
    adorei conhecê-la e fiquei super curiosa pelo livro dela
    espero poder lê-lo algum dia

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Gostei da entrevista Jessy, bem dinâmica e espontânea. A autora é uma fofa! Fiquei gamada na premissa do livro dela. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  12. Muito boa essa entrevista
    Parabéns

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Gente, quantos comentários!!! Que bom, né? hehehehe E sou fofa mesmo, sou gordinha. kkkkkkk Brincadeirinha! Aguardem a história de Miguel, Laura e Eduardo. Vocês irão formar times. E um bom dia para vocês. Beijosssssssss

    ResponderExcluir
  14. Olá, Jéssica! Que entrevista legal! Edna Guedes é uma super autora e uma pessoa muito especial. Também fiz uma entrevista com ela, e durante minhas pesquisas, acabei parando por aqui. Fiz referência ao seu blog ok.

    http://atraentemente.blogspot.com.br/2016/04/autora-edna-guedes.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Ela é mesmo muito fofa e especial. Que legal! Vou passar lá no seu blog depois. Beijos!

      Excluir
  15. Gente, olha eu aqui de novo. Beijos para vocês😘😘😍😍

    ResponderExcluir
  16. Onde compro o livro?

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário. Volte Sempre!