08 junho 2016

Resenha: Espada de Vidro - Victoria Aveyard

O sangue de Mare Barrow é vermelho, da mesma cor da população comum, mas sua habilidade de controlar a eletricidade a torna tão poderosa quanto os membros da elite de sangue prateado. Depois que essa revelação foi feita em rede nacional, Mare se transformou numa arma perigosa que a corte real quer esconder e controlar.
Quando finalmente consegue escapar do palácio e do príncipe Maven, Mare descobre algo surpreendente: ela não era a única vermelha com poderes. Agora, enquanto foge do vingativo Maven, a garota elétrica tenta encontrar e recrutar outros sanguenovos como ela, para formar um exército contra a nobreza opressora. Essa é uma jornada perigosa, e Mare precisará tomar cuidado para não se tornar exatamente o tipo de monstro que ela está tentando deter. Skoob

Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 496
Nota: 3/5

Série - A Rainha Vermelha:

Antes de qualquer coisa eu preciso dizer que eu gosto muito quando um autor começa o segundo livro EXATAMENTE onde ele terminou o anterior. É muita emoção para o meu coração...Hahahaha. Imagina que alegria não ter que ficar supondo o que aconteceu depois do estouro do bambu no fim da história? Claro que às vezes eles começam de um ponto diferente porque o que passou não é interessante, mas George Martin me chateou muito entre Tormenta de Espadas e Festim dos Corvos e eu passei a dar valor a isso aí.

Victoria consegue continuar a história do mesmo ponto. Eles estão no mesmo lugar, pensando as mesmas coisas e com os mesmos fantasmas do fim de A Rainha Vermelha e, para essa história, isso fez bastante diferença. Vocês sabem que eu gostei do primeiro livro e que quanto mais intriga e traição melhor para mim, mas apesar de ter conseguido ler rapidinho, eu achei que algumas coisas pesaram demais nessa continuação. Vamos aos fatos:

1. Mare:
Sabe o Harry em A Ordem da Fênix? É a Mare em Espada de Vidro, parece que todos os perrengues que ela passou serviram para criar um mecanismo de defesa na cabeça dela em que a única coisa que ela pode confiar é o poder dela. É compreensível, mas como eu acho que falar para alguém, mesmo que suas dores não se tornem menores, é o caminho para diminuir o fardo que carregamos.

2. Maven
O garoto sem escrúpulos é apenas uma sombra e aparece poucas (e importantes) vezes. Senti falta dele e queria muito saber o que se passava na cabeça dele a cada momento desse livro. Imaginem como seria interessante ter alguns capítulos narrados pelo vilão da história... Mas esse é o problema de livros narrados por um personagem só, então bola para frente e vamos passar porque não posso dar spoiler do livro, né?! Mas quem já tiver lido, souber do que eu tô falando e quiser compartilhar a angústia comigo é só mandar uma mensagem no FB #tamojunto.

3. Peso excessivo
Acho que eu entendo que a autora quis mostrar que as escolhas que fazemos podem nos tirar do poço ou nos empurrar mais fundo nele, mas acho que a carga dramática foi excessiva, já falei um pouco disso ali em cima com a Mare porque é a narradora, mas imagine que você consegue perceber esse peso em personagens antes leves como Kilorn e até mesmo em novatos como Cameron. Sei que todos viveram muitas coisas ruins e por isso estão nessa situação, mas eu sou otimista sabe? Sempre acho que se enterrar na dor é a pior coisa que podemos fazer quando queremos sair dela e ela deixa alguns personagens fazerem essa escolha fúnebre o tempo todo... Chegou uma hora que a leitura ficou puxada para mim #maisamoooorporfavor.

Sei que isso foi só a minha experiência e que outra pessoa pode amar esse livro ainda mais que o outro. Ele continua bem escrito, Cal continua um cavalheiro, mas há poucos alívios cômicos, que antes entravam na cota de Kilorn, que agora está mais soturno. Mesmo com esse peso, ainda acho que evoluímos bastante na estrada para conhecer Mare Barrow e uma cena com uma pessoa que ela gosta muito (não vou contar para não dar spoiler) me fez perceber que pode ser que o coração dela ainda está lá, ainda que ela se esforce para escondê-lo o tempo inteiro.
"Maven já passou por este caminho antes, e passará de novo. Desta vez, com a fúria dos seus soldados, sua mãe e sua nova coroa. Ontem ele era um príncipe; hoje é o rei. Pensei que fosse meu amigo, meu noivo. Agora sei a verdade."
Mare está prestes a fazer dezoito anos, mas não é uma criança há muito tempo. Não era nem quando vivia em Palafitas, mas sua estadia em Archeon cuidou de retirar todos os vestígios infantis da garota. Ainda que ela seja idiota na maioria das vezes por conta de tentar esconder seus sentimentos de tudo e todos, ela é útil, mas acho que ela tem mais potencial do que a autora conseguiu desenvolver no livro. Vamos aguardar o próximos para ver se ela consegue evoluir sua escrita e a personagem, torço para isso.

Não posso deixar de falar dos novos personagens, não vou dar detalhes de quem eles são para não estragar o gostinho da descoberta para aqueles que ainda não leram o primeiro livro, mas já digo que são muitos, são interessantes e gravem o nome Jon, ele ainda nos reserva muitas surpresas para o próximo livro, tenho certeza.

Antes de terminar, queria parabenizar a autora pelas partes de ação. Gostei bastante de como foram desenvolvidas e dá para perceber a evolução entre elas e as do livro anterior. Estão mais maduras, mais detalhadas e mais mortais. Foi interessante perceber essa evolução, mesmo que elas ainda não sejam batalhas primorosas estão ficando mais elaboradas.

Não considero as questões que levantei lá em cima como ponto negativo, são apenas parte do meu sentimento durante a leitura. Ao final continuei a gostar do livro, mas não deixo de esperar mais leveza no próximo, não necessariamente menos sofrimento, só um pouco mais de positivismo dos próprios personagens, quem sabe? Espero que vocês entendam o meu lado e me contem o que esperam ou o que sentiram ao ler ;)

Quotes:
"Cal e eu não estamos mais no mundo prateado, e não há ninguém para simplesmente apagar nossas cicatrizes merecidas. Nós escapamos."
"Um braço me envolve com força ao perceber meu desconforto. Shade. Ainda não consigo acreditar que meu irmão está aqui, vivo — e, ainda mais estranho, igual a mim."
"As pessoas sabem meu nome, conhecem meu rosto e meus poderes. Sou valiosa, sou poderosa, e Maven fará qualquer coisa para me impedir de contra-atacar."

Beijos!

Ps.: Também escrevo resenhas e matérias em outro blog literário, o Ponto para Ler, se quiser conhecer é só clicar AQUI.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário. Volte Sempre!



ilustração por Lanillu | desenvolvido por Sete Coisas | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - COPYRIGHT © 2014