19 dezembro 2016

Entrevista: Paulo Souza

Oi, gente! Tudo bem com vocês? Trago uma entrevista com Paulo Souza, autor dos livros Ponto para Ler Contos e ClariceVamos conferir?

Quem é Paulo Souza?
Um cara que tenta levar a vida de uma forma tranquila ao lado de pessoas que valham a pena e deixando para trás as que trazem carga negativa. Gosto de ler, cozinhar, escrever e uma infinidade de coisas.

Você é escritor e blogueiro literário, qual é a sensação de pertencer aos dois lados?
Na verdade é uma loucura, eu consigo perceber as mancadas dos dois lados e tento não cometê-las. Como blogueiro eu trato os escritores parceiros do Ponto Para Ler (PPL) da forma que gostaria de ser tratado e como escritor me comunico e trato os blogueiros que faço parceria da forma que acho correta.

Pertencer aos dois lados é, no final das contas, viver um turbilhão de sentimentos que se confrontam e somente tentando ser muito deboista para ponderar e ver qual lado está sendo mais justo.

Recentemente você começou a postar vídeos no Youtube e foca muito em ponto de encontro com autores e leitura compartilhada com seus leitores. Pode falar um pouco sobre isso e como surgiu a ideia de criar o canal?
Um dos intuitos que eu sempre tive com o PPL foi o de que criar um “ponto” de apoio para o autor nacional, principalmente o autor independente. Com essa visão e uma parceria que firmei com a produtora Animars que tem uma pegada voltada para a produção cultural nós criamos o canal do blog.

As leituras compartilhadas são justamente o contraponto da resenha. Quando sentamos para elaborar o canal queríamos trazer uma outra visão de compartilhamento de leitura e a solução que encontramos foi a leitura compartilhada, onde em dois vídeos falo sobre o que senti com a leitura e troco essas experiências com o leitor que acompanha o vídeo e também leu o livro. Assim através do vídeo colocamos o espectador como protagonista da leitura, sem o leitor não há uma leitura compartilhada. O retorno tem sido ótimo das duas leituras já feitas, mesmo com pequenos spoilers a galera entendeu o intuito e estão lendo para compartilhar o que sentiram.

O Ponto de Encontro é um grande desejo que sempre tive de poder dar maior visibilidade aos escritores em um ambiente descontraído onde o foco é o autor e a literatura. Já gravei três entrevistas, e uma já está disponível no canal, nelas todos os entrevistados externaram como se sentiram a vontade e como o papo foi bom.


Quando decidiu que queria ser escritor? Isso foi antes ou depois de se tornar blogueiro?
Eu já escrevia bem antes de pensar em ter o PPL. A história de como o blog foi criado é um pouco longa, mas de uma forma bem condensada foi o seguinte: Lá no ano de 2012 uma editora de grande porte quis publicar um livro que havia escrito, porém a editora queria comprar os meus direitos autorais para publicar o que eu escrevi no nome de outra pessoa, nas próprias palavras do agente da editora: “Você não tem o nome comercial para ter algo publicado”. Depois desta grande desilusão e frustração eu tive a ideia burra de criar um blog para ir postando aquele livro de forma seriada, graças que na época a minha então namorada que hoje é minha esposa disse para ir publicando contos e outros textos para criar o tal nome comercial que a editora disse que eu não tinha.

O PPL começou somente com contos semanais e dentro desses quase 4 anos foi se transformando e hoje já tem colunas fixas e publicações de segunda a sexta.

Como é o seu processo de criação? Tem alguma mania ou algo específico que possa compartilhar?
Meu processo de criação é 70% trabalho e 30% inspiração. Eu sou muito observador e isso me ajuda a ver coisas que me dão o gatilho para elaborar uma história. Antes de começar a escrever eu elaboro todo um planejamento de como a história vai ser, todos os seus ganchos e quais eu vou deixar em aberto. Já faço um apanhado de todos os personagens que vou precisar para contar a história. Isso me ajuda a destravar mais fácil a cadeia de ideias, eu já sei o que vai acontecer, eu só preciso contar. Caso eu empaque em algum momento por não estar na vibe de descrever determinada cena, eu pulo mais para frente e escrevo outro trecho da história, como sei todo o arco não perco tempo na escrita.

Como tem sido a relação com seus leitores?
A relação tem sido ótima, desde o começo do PPL eu sempre recebi muitos e-mails e essa foi uma característica que se manteve. Assim que eu publiquei o meu primeiro livro na Amazon nas primeiras semanas eu recebi uma chuva de e-mails, literalmente, até o apelido de Sr. Ponto eu ganhei. Os leitores me contactam através do e-mail do blog, pelo inbox da página do PPL no Facebook e eu sempre tenho todo o carinho para responder cada um.

Seu primeiro livro publicado, Ponto para ler Contos, está disponível somente na Amazon, certo? Qual é a sensação de perceber que sua obra está sendo lida e avaliada pelos leitores? 
Correto, por hora ele está disponível somente no formato de Ebook na Amazon, mas já estou recebendo propostas para disponibiliza-lo em forma física. O retorno dele está sendo ótimo, são seis contos que variam entre narrativa de primeira pessoa, diário e terceira pessoa. Tem contos de suspense psicológico, fantasia e romance. Acredito que pelo fato dos contos serem muito diferentes um dos outros acabei conseguindo agradar uma gama muito maior de leitores. Todos que me deram um feedback disseram que não gostaram tanto de um, mas que outro foi fenomenal e isso sempre varia de acordo com o gosto de cada um. Eu sei que não é possível agradar a todos, mas felizmente posso dizer que de todo o retorno que eu tive, 80% dos leitores acharam o livro excelente.

Como surgiu a ideia de criar esse livro? Você se inspirou em alguém para desenvolver algum personagem?
A ideia de criar este livro foi simples, pensei em compilar os meus contos em uma publicação e verificar no mercado a sua aceitação, como um termômetro mesmo. Eu já tinha o retorno no PPL em relação ao que eu escrevia, mas eu precisava saber como a literatura que eu produzo se comportaria no mercado. Aproveitei e lancei o livro durante a 32° Feira do Livro de Brasília e desde então eu venho recebendo muitas observações positivas sobre o meu trabalho. 

São seis contos, em cada um existe um número de personagens e cada personagem foi concebido com muito carinho. O que posso dizer de forma bem geral para não enrolar, é que cada personagem tem um traço meu, até mesmo os ruins, e uma mescla de todas as pessoas que já passaram pela minha vida.

Você tem planos para algum outro livro? O que podemos esperar dele?
Claro que tenho, meu intuito é não parar! Já tenho um romance escrito em realismo fantástico que se passa no Brasil que está disponível na Amazon, ele se chama Clarice, (para achar na barra de pesquisa é só colocar: Clarice Paulo Souza). Este livro conta a história de um querubim que se deita com uma mortal debaixo do pé de um jatobá. O fruto do amor proibido é a maldição em cima da família que a partir daquele momento em diante somente teria as mais belas mulheres. Há também a rixa com a chuva, que não aprovou o romance e resolveu não mais chover na cidade imaculada, Clarice é última descendente desta maldição familiar e acaba passando por várias situações bem complexas mostrando um retrato do nosso país.

Também já estou escrevendo outro que conta a história de um pai de família que se entrega a polícia por um crime que ele cometeu, e a cada capítulo eu vou contando o que as pessoas a sua volta pensam sobre o ocorrido e tenta entender que crime foi esse, aí temos a visão da esposa, do filho, da filha, do peixe de estimação, do tapete da sala, da vizinha, do amigo de trabalho e do urologista dele.

Sem contar o livro que já tenho escrito desde 2012 que quero reler e corrigir algumas coisas para lançá-lo. Ele é uma fantasia medieval que conta a história de um planeta que orbita entre dois sois fazendo um movimento de “oito”. Quando o planeta se encontra entre as duas estrelas e tem as duas faces iluminadas os dragões ganham uma inexplicável força no hálito de fogo e tentam controlar tudo, no meio desta guerra temos vários heróis, guerras entre reinos e o mais improvável dos romances.

O que você gosta de ler? Indique um livro para nosso público.
Eu gosto de ler praticamente tudo, confesso que a única coisa que não me agrada muito são os livros hots que tratam só de sexo e não tem um enredo por trás. Essa foi a pergunta mais complicada de responder, mas vou indicar o livro que me fez gostar de ler e principalmente de começar a escrever: Demônios de Aluísio de Azevedo conta a história de um personagem que foi dormir, porém o dia não amanhecia, o sol não nascia mais e o mundo estava em completa escuridão. Todas as pessoas haviam morrido e tudo estava fora do normal, o mundo e a natureza estavam estagnados. Apenas ele conseguia se mover e vendo todo o cenário se lembrou de sua noiva… vou parar por aqui, por quê você vai ter que ler para entender o que são os demônios. 

Deixe um recado para os leitores do blog.
Se você conseguiu ler todas as minhas respostas e chegou até aqui, parabéns! Não é fácil ficar ouvindo o que eu falo, no caso lendo. Você tem muita força de vontade e sua vida vai ser repleta de grandes feitos XD Brincadeiras a parte obrigado ao blog Leitora Sempre pelo espaço, e principalmente a você, leitor, por querer me conhecer um pouquinho mais =D


Link para comprar os livros do Paulo: Ponto para Ler Contos | Clarice


3 comentários:

Obrigada pelo seu comentário. Volte Sempre!



ilustração por Lanillu | desenvolvido por Sete Coisas | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - COPYRIGHT © 2014