Resenha: A Garota no Trem - Paula Hawkins


Best-seller internacional que deu origem ao filme estrelado por Emily Blunt. Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio por galpões, caixas d’água, pontes, casebres e aconchegantes casas vitorianas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Jason –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, “A garota no trem” é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado. Skoob | Comprar: Submarino | Saraiva | Americanas


Autora: Paula Hawkins
Editora: Record
Páginas: 378
Nota: 2,5/5

Rachel é uma mulher que todos os dias pega o mesmo trem a caminho do trabalho e durante esse percurso ela vê sempre o mesmo caminho, as mesmas casas e pessoas. Ela resolveu dar nomes a um casal que parecia muito apaixonado e inventar como seria o relacionamento deles, o que ela não poderia imaginar é que um dia a mulher iria desaparecer e que ela estaria de alguma forma envolvida.

O livro é narrado pelo ponto de vista de três mulheres: Rachel (a protagonista), Anna (a atual esposa do ex-marido de Rachel) e Megan (a mulher desaparecida). Aos poucos vamos conhecendo o passado de ambas até chegar ao presente e onde e como essas três histórias se cruzam.

Rachel atualmente é alcoólatra. Após ter sido trocada por outra mulher passou a morar com uma amiga. Mergulhada em autopiedade não consegue deixar sua antiga vida (o ex-marido e atual esposa) em paz. Sendo cada vez mais dominada por seu vício acaba perdendo tudo. No decorrer da narrativa vamos descobrir que ela já teve uma vida muito diferente da que vive hoje. E seu problema com o álcool torna a sua memória pouco confiável e incompleta. 

Anna é a atual esposa de Tom, ex-marido de Rachel. Durante a sua narrativa vamos descobrir como eles acabaram ficando juntos e como e quanto as crises de Rachel interferem na vida do casal e de sua filhinha. 

Megan era uma mulher de espírito livre, alegre e cheia de vida. Mas ao contrário do que a Rachel imaginava em suas viagens de trem, sua vida com Scott não era tão perfeita. Ela tem segredos sobre seu passado e sua real natureza que só ficarão claros ao leitor no decorrer do livro. 

Confesso que esperava um pouco mais do livro, na verdade acho que é porque não gosto muito de protagonistas muito frágeis e, além de a Rachel ser assim, ainda é facilmente manipulável. Infelizmente não consegui ter empatia pela protagonista e achei a leitura bem morna, sobretudo que a leitura era muito esperada e as expectativas que criei em relação a história foram por água baixo. Mas a leitura é bem diferente para cada leitor e cada pessoa tem uma percepção diferente sobre a leitura então sempre vale a pena tentar.

Fiquei ansiosa para conhecer essa história assim que vi o trailer do filme e descobri que era uma adaptação, mas depois dessas ressalvas não estou com pressa em assistir mais. A capa do livro é baseada no filme, a letra é de um tamanho médio para leitura e as páginas são amareladas.

Quotes:
"Não sou mais só uma garota no trem, indo e vindo sem motivo ou propósito. Quero que Megan reapareça sã e salva. Quero, sim. Mas não agora."
"De vazio, eu entendo. Começo a achar que não há nada a se fazer para preenchê-lo. Foi o que percebi com as sessões de terapia: os buracos na sua vida são permanentes. É preciso crescer ao redor deles, como raízes de árvore ao redor do concreto; você se molda a partir das lacunas."


1 comentários:

  1. Serio que é uma leitura morna. Valeu a dica! Não estará no topo da minha lista de desejos :)

    beijos !

    Feliz 2017!!! Que esse ano traga bons livros!!

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário. Volte Sempre!