Sessão Pipoca: Mulher Maravilha



Título Original: Wonder Woman
Título Traduzido: Mulher Maravilha
Direção: Patty Jenkins
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia
Duração: 2h 21min
Distribuidor: WARNER BROS.
Elenco Principal: Gal Gadot, Chris Pine, Connie Nielsen.
Lançamento: 1 de junho de 2017
Nota: 5/5





Sinopse: Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince (Gal Gadot) nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.

Oi, gente, tudo bem com vocês? Foi todo mundo que gostou do filme ou só a maioria? E esse tema musical chiclete que não sai da cabeça? Foi só a música tocar no filme que eu comecei a vibrar na cadeira. Mais alguém estava ansioso para esse filme ou só eu? Vou dar uma pausa na loucura aqui para começar essa resenha direito rsrs. 


Mulher Maravilha chegou aos cinemas finalmente e eu tive que conferir duas vezes (mas queria ter ido mais). Assisti dublado e legendado e o filme é muito bom nos dois idiomas. Brincadeiras a parte, Mulher Maravilha é um dos filmes mais esperados por mim este ano. Desde que vi a personagem no filme "Batman x Superman" estava ansiosa para ver o filme solo dela, tanto pela atriz quanto pelo personagem. A linda Gal Gadot (ex-miss, ex-recruta do exército de Israel, ex-modelo e ex-estudante de Direito) - minha eterna Gisele, e sim gosto de Velozes e Furiosos - arrasou no filme.


Além das HQ's na década de 70, Mulher Maravilha teve uma série de grande sucesso estrelada por Lynda Carter. Várias tentativas de levar a história da Mulher Maravilha para o cinema ou para TV não tiveram sucesso. Mas eis que em 2017 a heroína veio para as telonas totalmente repaginada nos mostrando a sua origem para essa nova série de filmes do Universo da Liga da Justiça. Ela veio com o visual um pouco diferente, com direito a armadura e tudo, mas ainda preservou suas cores tradicionais. 

Teve o maior burburinho quando houve a escolha da atriz e muitos não aprovaram, mas agora é oficial, ela é a Mulher Maravilha. O filme, na minha opinião não é feminista ou para mulheres, mas tem belíssimas cenas de ação em slow motion que exaltam o poder de luta da personagem e das amazonas ao invés de seus corpos, que é um ponto muito positivo.

Diferente de muitos heróis que possuem grandes poderes, mas não querem usar, Diana desde criança possui uma grande vontade de guerrear que é o tempo todo sufocada pela superproteção da mãe, Hipólita, que teme por sua vida e segurança, mesmo que ela tenha nascido e sido criada em Themyscira, uma ilha tropical secreta cheia de amazonas.


O filme é um grande flashback que começa com a Diana no presente, logo após os acontecimentos de Batman Vs Superman, mas em seguida nos leva para a sua infância, passando pela adolescência até o memento em que ela tem o seu primeiro encontro com humanos, armas desconhecidas e um mundo muito diferente cheia de regras sociais. No decorrer do filme descobrimos não só a origem de Diana, mas também das amazonas e o seu papel no mundo.


A heroína embarca numa jornada ao lado de Steve Trevor, o homem que ela salvou, para acabar com a guerra que está assolando o mundo (Primeira Guerra Mundial). Diana acredita que os homens são todos bons e que alguém os está influenciando e que cabe a ela encontrar esse inimigo e salvar a humanidade. Em seu caminho ela vai encontrar situações totalmente contrárias ao que ela acredita e vai precisar se provar o tempo todo.


Não leio e nem acompanho quadrinhos, mas amei o filme. Foi maravilhoso ver uma heroína forte como protagonista em filme solo e não apenas coadjuvante ou indefesa. Adoro ver uma mulher guerreira em cena (Xena é diva!) e estava super torcendo para sair o filme da Viúva Negra, mas a Marvel demorou demais e a DC passou na frente com louvor. 

O longa é divertido na medida certa. Não tem piadinhas fora de contexto e ainda não perde a seriedade ao dar alfinetadas sociais sutis abordando temas como a questão racial, sexualidade e o papel da mulher na sociedade.


O ponto fraco do filme, na minha opinião foram os vilões, mas isso não apagou o brilho do filme que merece e muito ser visto."Mulher Maravilha" nos apresenta a história da Diana, filha da rainha das Amazonas, que nesse primeiro momento de choque cultural demonstra sua ingenuidade e pureza diante das diferenças, mas sem ser tola em nenhum momento. Ela vai descobrir seu destino e a verdadeira motivação pelo que lutar em seu coração. Vale muito a pena ver e você vai querer levantar um tanque depois dessa experiência.





0 comentários:

Deixe seu comentário

Obrigada pelo seu comentário. Volte Sempre!