28 outubro 2017

Resenha: Pegando Fogo - Abbi Glines

Nan Dillon, a bad girl de Rosemary Beach, é uma garota imatura e egoísta que não tem outra preocupação na vida a não ser manter o corpinho perfeito. Só que Nan está longe de ser feliz: nunca teve o amor dos pais, o irmão adorado não tem mais tempo para ela, e Grant, o único homem de quem gostou de verdade, resolveu trocá-la pela meia-irmã dela.
Então, quando Major Colt a convida para sair, ela não pensa duas vezes. Apesar de saber que esse texano charmoso e de fala mansa não quer nada sério, ficar com ele é melhor do que estar com as colegas fúteis ou passar as noites sozinha vendo televisão.
Mas logo Nan fica farta do comportamento descompromissado de Major e, depois que ele a deixa plantada em casa mais uma vez, decide ir a Las Vegas para um fim de semana sem regras e sem limites. Lá, conhece Gannon, um empresário sedutor e perigoso que sempre diz exatamente o que ela quer ouvir.
Quando Major vai atrás dela implorar por uma segunda chance e Gannon mostra que não é tão perfeito quanto ela pensava, Nan tem que decidir a quem entregar seu coração. O que ela não percebe é que os dois têm uma estratégia de longo prazo para ela – e já estão várias jogadas à sua frente. Skoob

Autora: Abbi Glines
Editora: Arqueiro
Páginas: 224
Nota: 3/5

Saga Rosemary Beach:
Paixão Sem Limites #1
Tentação Sem Limites #2
Estranha Perfeição #3
Amor Sem Limites #4
Simples Perfeição #5
Rush Sem Limites #6
A Primeira Chance #7
Mais Uma Chance #8
Para Sempre Minha #9
Kiro e Emily #10
À sua Espera #11
Ao Seu Encontro #12

O Último Adeus #13

Chegamos ao fim de Rosemary Beach e o encerramento dessa saga é com a personagem mais odiada dessas histórias, Nannette Dillon. Ela é a irmã mais nova de Rush, um dos primeiros mocinhos de Abbi Glines, e, como podemos acompanhar nos volumes anteriores, ela descobriu que é meio-irmã de Mase e Harlow Manning. 

Eu quase não reconheci a Nan, a autora quis trazer uma mulher atormentada que tem um passado sombrio com uma personalidade mais calma e tranquila, claro que houve uma passagem de tempo significativa desde o primeiro volume mas não foi tempo suficiente para Nannete amadurecer. Na história do seu meio-irmão Mase, À sua Espera e Ao Seu Encontro, ela ainda era uma cobra criada que fez muito mal para os personagens, então me diz como ela melhorou depois de pouquíssimo tempo? Não consigo entender! Eu pude compreender um pouco melhor a dor de Nan, mas isso não significa que eu possa gostar dela e esquecer tudo que ela fez. Quem acompanha desde Paixão Sem Limites sabe todas as artimanhas que ela proporcionou e inclusive se tornou a mais odiada dessa saga. Pude compreender que ela usa essa personalidade arrogante e fútil para esconder a dor e a incompreensão das outras pessoas, mas pra mim isso não é justificativa para todas as suas futilidades no passado.

Ela tem coração, sim, finalmente pude perceber isso e a forma como ela trata seu sobrinho é bem legal e nos permite conhecer um lado mais íntimo dela, mas, por favor, ninguém esqueceu o que ela já fez. Ela foi criada em um lar desproporcional, com uma mãe mentirosa e fútil, mas isso não é justificativa para ela ser tão babaca no passado. Blaire, Reese, Della, Rose, Bethy, Tripp, Grant são exemplos de alguns personagens que cresceram em famílias desordenadas e nem por isso se transformaram em alguém tão ruim.

Por incrível que pareça o homem que consegue enxergar mais do que futilidade em Nan é o Major Colt, primo de Mase. Mas ele é um mulherengo, nunca quis nada sério com ninguém e acaba partindo o coração dessa megera e Nan decide viajar para Las Vegas para se divertir e lá conhece Gannon, um empresário sedutor, com uma personalidade perigosa que a deixa encantada. O coração de Nan acaba dividido entre esses dois homens, completamente diferentes, mas ambos escondem muito mais do que ela imagina.

Esse triângulo amoroso não teve muita química e sofri para terminar a história, porém lutei bravamente para finalizar e concluir Rosemary Beach. Mas apesar disso a escrita da Abbi Glines é leve e você acaba lendo com rapidez. A narrativa é intercalada entre Nan, Major e Gannon, a diagramação é a típica da editora com uma letra confortável para leitura e não encontrei erros de revisão.

O único personagem que eu gostei de verdade foi o Major, que já foi apresentado nessa saga anteriormente, e sempre foi engraçado e divertido. Eu não consegui me conectar tão bem com Gannon e suas cenas com Nan não me agradaram nem um pouco. Já Nannette eu nem preciso dizer muita coisa, né? Não sou uma fã dela e apesar desse amadurecimento repentino pelo o menos houve um encerramento da personagem.

Lá no final Abbi Glines me fez chorar, apesar de tudo, quando ela proporcionou uma cena tão triste e comovente com outros personagens. Não consegui entender muito bem o motivo dela fazer isso e acho que ela poderia escrever uma nova história sobre essa cena especifica, claro que não posso entrar em detalhes porque seria um spoiler grande, mas tinha que relatar essa curiosidade e quem sabe no futuro ela faça um trilogia sobre o que aconteceu nessa cena. Também foi bom rever os antigos personagens e meu parabéns vai para Rush Finlay, que com certeza foi o mais personagem que evoluiu positivamente e se transformou num homem bom.

Rosemary Beach teve seus pontos positivos e negativos, alguns livros foram melhores que os outros e as histórias boas ficaram marcadas na minha memória. Não é um adeus, mas um até logo! Abbi Glines está lançando Sea Breeze Meets Rosemary Beach, junção de alguns filhos desses personagens de Rosemary com filhos dos personagens de Sea Breeze - que é uma outra série da autora ainda não publicada no Brasil - e, particularmente, quero muito ler e quem sabe rever esses personagens mais velhos.


Este e mais livros podem ser comprados com desconto na Amazon esta semana.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário. Volte Sempre!



ilustração por Lanillu | desenvolvido por Sete Coisas | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - COPYRIGHT © 2014